O que é Storytelling e sua importância para profissionais e marcas

By 29 de outubro de 2019 Treinamento

Era uma vez…

Storytelling é a arte de contar boas histórias por meio de palavras, sons ou imagens. E nós, seres humanos, adoramos ouvir e contar histórias. Na verdade, é por meio das histórias que organizamos e compreendemos melhor o mundo.

Pense em nossos ancestrais primitivos, por exemplo, que já contavam histórias de suas caçadas bem sucedidas nas paredes das cavernas. Essa característica exclusiva da nossa espécie permanece forte até hoje nos mais variados aspectos da nossa vida.

Existem narrativas que contamos para nós mesmos e influenciam nossa personalidade, forma de agir e decisões. Você já passou pela experiência de querer comprar alguma coisa e contar, mentalmente, uma história para si mesmo do tipo “eu trabalhei tanto essa semana, recebi elogios, terminei aquele projeto super complicado, eu mereço uma recompensa”?
O storytelling também está relacionado à arte de provocar histórias. Isso mesmo, existem diversos elementos que provocam histórias em nós: um perfume que te lembra alguém, um sabor, uma música que remete diretamente a uma experiência marcante que você viveu.

Você está contando histórias o tempo inteiro

Sabe o que também provoca uma boa história? Você mesmo. Você provoca histórias ao se relacionar com outras pessoas, assim como elas provocam histórias em você. Nós contamos histórias que podem mudar pessoas: Um elogio, um abraço e até sua postura. Tudo isso tem o poder de ser transformador.

Essa ideia também é válida no ambiente profissional. A forma como você age, a qualidade do trabalho que produz, como se relaciona com os outros colaboradores. Tudo isso provoca histórias. Ter ciência de que você é um contador e provocador permanente de histórias te dá o poder de ser um personagem ativo da sua própria narrativa e se comportar de modo que as pessoas ao seu redor te admirem e se espelhem em você.

Histórias e marcas

O storytelling é a maneira mais eficaz de as marcas trabalharem sua publicidade. Na realidade, em maior ou menor grau, todas elas já se utilizam de histórias para comunicarem seus produtos.

Nos primórdios, a propaganda basicamente destacava as funções e capacidade dos produtos, numa visão utilitarista de vendas. Hoje, as marcas comunicam suas soluções em meio a um contexto no qual seu público-alvo é o protagonista, em histórias que fazem parte de suas vidas ou histórias das quais esse público gostaria de ser parte (aspiracional).

Um bom exemplo de como histórias podem ser usadas por marcas de todos os segmentos é a campanha de conscientização realizada pelo Detran do DF. Brasília é conhecida por ser um lugar onde todos os motoristas respeitam a faixa de pedestre, mas a realidade não era bem essa.

Para contar uma história e alertar os condutores sobre isso, foi criada uma ação muito impactante. Nas ruas, quando sinal fechava, pessoas iam para as faixas de pedestres e mostravam cartazes aos motoristas com os dizeres: “A faixa de pedestres é um grande orgulho para o DF. No último ano, reduzimos a mortalidade em mais de 50%. Será que é motivo para comemorar?” Em seguida, pessoas acidentadas por motoristas que não pararam na faixa atravessavam em cadeiras de rodas. Todos que assistiam à ação ficaram comovidos e a mensagem foi passada com muito mais impacto que uma campanha tradicional (veja o vídeo da ação).

Diversas marcas já usaram a força do storytelling para contar histórias envolventes e transformadoras: A Dove criou a campanha retratos da beleza, na qual mulheres se auto descreviam para um artista, que as desenhava. Depois outra pessoa a descrevia para o mesmo artista. O resultado era que as pessoas sempre se viam mais negativamente  do que as outras pessoas as viam. A Dove mostrou que precisamos gostar mais de nós mesmos do jeito que somos e buscou elevar a autoestima com a campanha.

Podemos citar ainda o “like a girl” da Always, afirmando que as garotas são capazes de fazer o que quiserem com muita garra e eficiência, quebrando o peso negativo da expressão “você faz tal coisa igual a uma menina”. Bom exemplos de marcas que exploraram positivamente o poder das histórias não faltam, como mostra essa lista de cases.

Destacamos ainda que as histórias que sua marca conta devem ser autênticas e estarem alinhadas aos valores da empresa. De nada adianta contar ao público histórias inverídicas, apenas para valorizar a marca, mas que não se sustentam.

Apontamos como exemplos que devem ser evitados os casos de marcas que inventaram figuras como “o avô que trouxe a receita dos nossos produtos da Itália” ou “o pequeno fazendeiro que cultiva os insumos do nosso produto e nos entrega diretamente”. Essas figuras foram criadas para gerar empatia e familiaridade, mas eram falsas. No storytelling, é preciso ser verdadeiro, comunicar aquilo que sua marca realmente faz e acredita.
É devido ao poder das narrativas que o storytelling é um dos pilares que envolvem todos os processos da Megalógica. Utilizamos histórias para transformar ideias fantásticas de nosso clientes em projetos espetaculares, contando uma história coesa e coerente com o público que querem alcançar. Acesse nosso site e conheça nossa metodologia e portfólio. Temos certeza de que, juntos, teremos grandes histórias para contar!

#Megalógica #Desenvolvimentopessoal #Storytelling #Publicidade #Marketing