A velocidade e a imprevisibilidade do mundo deixaram muita gente perdida. Você está com essa sensação? Então embarque no Carrossel do Cirilo e confira o bate papo com Lucas Blanco, que ressalta alguns pontos de atenção para lidar com a contemporaneidade. Vem com a gente!

Após passarmos pela época rural e industrial, estamos passando a transição de uma era digital para uma pós digital. A era digital trouxe muitas mudanças, com a tecnologia trazendo uma velocidade que nos atropelou.

Chega então uma pandemia que impõe que as pessoas devem ficar em casa. E aí a impressão é que o mundo desacelerou. Nesse contexto, não temos como entender uma nova realidade usando parâmetros de uma realidade antiga. Precisamos entender como essa realidade funciona e caminhar para frente.

Tudo está mais rápido

Uma prova de que o mundo está acelerado em todos os campos é o tempo de desenvolvimento de vacinas. A vacina da poliomielite demorou 47 anos para ser viabilizada. A da hepatite levou 16 anos e a do sarampo levou 10 anos. Estamos vivendo em um tempo em que em apenas um ano poderá haver uma vacina para a covid 19.

Para Lucas, diante da velocidade atual, é preciso criar uma visão de futuro e agir rapidamente para atingi-la. Segundo o convidado “se as coisas parecem sob controle, é porque você está lento demais”. Se não nos adaptarmos, iremos nos sentir cada vez mais perdidos.

Do pensamento linear para o exponencial

A lógica linear clássica do pensamento de Ford, Taylor e Fayol tem dado cada vez mais espaço para ideias como ruptura e disrupção. Isso porque estamos passando o pensamento linear para o exponencial.

Em vez de cada pessoa fazer ou pensar uma etapa do processo, elas se juntam, podem criar algo diferente que ninguém ainda pensou e geram entregas mais ágeis e com mais valor. A estrutura deixa de ser segmentada para virar uma estrutura em rede.

Mudando o próprio pensamento

Para ajudar nessa adaptação, Lucas sugere algumas mudanças na forma como lidamos com determinados assuntos. Em vez de falar “eu não sei”, pensem em “eu posso aprender”, por exemplo.

Outra sugestão de mudança de perspectiva é trocar “eu não consigo” para “eu vou tentar. Em vez de “não vai dar certo”, pense “vamos arriscar”. No lugar de “ninguém me comunicou”, utilize “vou procurar saber”.

Além disso, troque “ninguém me convocou” por “alguém precisa da minha ajuda?”. Sabe a máxima “mas eu só um só”? Tente trocar por “eu preciso de ajuda”. Somos muito ruins para assumir que precisamos de ajuda.

Para gestores, que tal trocar “aqui sempre foi assim” por “acho, sim, que podemos melhorar”?Já os colaboradores podem trocar “meu chefe não me reconhece” para “chefe, o que você acha do meu trabalho”, buscando feedback.

Por fim, que tal “estou cansado disso tudo” para “sei que podemos transformar tudo isso”.

Palavras finais: a mudança faz parte da vida, é algo necessário à nossa evolução. Já a velocidade dessas mudanças nem sempre precisam ser tão rápidas, pois mais importante que a velocidade é a direção.