Quais são os principais desafios em uma empresa familiar? Augusto Falcão, da Gráfica Falcão embarca no Carrossel do Cirilo em um bate papo super agradável para opinar sobre o assunto. Vem com a gente!

Desde os 13 anos, Augusto se interessava pela rotina da gráfica de sua família e, para ele, a chave para fazer uma sucessão de sucesso é conhecer bem os processos e se apaixonar por aquela história e pelo trabalho.

Se o sucessor não se encantar pela empresa, dificilmente ele terá motivação para dar sequência no trabalho feito até aquele momento.

Desafios de assumir uma empresa de sucesso

Para Augusto, o lado bom de ser o sucessor em uma organização que já está dando certo é o fato de haver cultura estabelecida e processos definidos. Já o grande desafio é que é difícil perceber mudanças que precisam acontecer para a empresa se desenvolver mais.

O convidado lembra que seu pai, quando assumiu a gráfica antes dele, teve que lutar para conseguir mudar alguns pensamentos e processos que identificou que precisavam ser atualizados.

Assumir uma empresa é como entrar em um trem em curso em um determinado trilho. Às vezes, é difícil enxergar que é preciso alterar esse curso para atingir um destino melhor. Porém, essa percepção é necessária para fazer a empresa crescer e não ficar estagnada.

Falando especificamente sobre a área de gráficas, o mercado vem se transformando e é responsabilidade do sucessor perceber as mudanças e aplicar no dia a dia operacional da empresa.

Cobranças em família

É muito difícil separar os aspectos familiares do negócio e, em empresas familiares, é comum que pais cobrem os filhos e irmãos cobrem irmãs. Porém, o fato de não haver brigas ou discussões não significa que a empresa está tendo boa performance, justamente pela dificuldade de separar o que é família e o que são negócios nessas cobranças.

Aprendizado e valorização

Augusto lembra que, quando começou a trabalhar na gráfica, ficou desapontado com o primeiro salário. Seu pai perguntou se ele tinha mais conhecimento e capacidade no mercado que determinado funcionário.

Quando ele respondeu negativamente, o pai questionou por que ele deveria ganhar mais que ele. Esse episódio serviu como aprendizado: ele deveria conhecer cada detalhe do que a empresa faz e valorizar os processos e as pessoas, só assim mereceria o salário correspondente.

Esse respeito pelo histórico da organização e o que a empresa conquistou ao longo de 60 fez com que o convidado fosse um verdadeiro apaixonado pela área e, em sua visão de futuro, já sonha que a filha possa sucedê-lo.